sh…. happens

mindinho01

Nada disto teria acontecido se eu não tivesse acordado a meio da noite a pensar que tinha de cobrir a pilha do composto e que era mesmo uma boa ideia usar aquelas portadas velhas de madeira por cima das paletes…

Resultado: aquilo que supostamente devia estar do lado de dentro da pele do meu mindinho (e não querendo ser demasiado gráfica não me refiro apenas a sangue) ficou repentinamente a ver a luz do dia…

Talvez seja uma maneira de mente e corpo reagirem mas juro que ainda me passou pela cabeça colher as favas e os morangos antes de conduzir 5 ou 6 km até ao centro de saúde. Como se não bastasse, pelo caminho  com o dedo a latejar como doido e sem ter a certeza se ia perder ou não a cabeça do dito cujo,  a ladainha na minha cabeça era sobre quão limitada iria estar nos próximos tempos para trabalhar na horta.

mindinho02

Bem quanto ao dedo a coisa estava demasiado lacerada para pontos mas é recuperável  e na dúvida se estava ou não partido lá fui ao raio-x.

Amanhã saberei mais. Definitivamente na pele mas o que me dói mais no momento é não saber quando vou tornar a pôr as mãos na terra.

Anúncios

#02. na pele

pele

Há no contacto com a terra algo de primordial, autêntico e intrinsecamente humano. A experiência da terra é uma experiência de partilha  com outros seres (humanos e inumanos)  – partilham-se conselhos, energias, recursos, produtos, numa generosidade que não cessa de me espantar.   A partilha gera equilíbrio entre o eu, o outro e o mundo à nossa volta seja ele a larva a erva a galinha a árvore a toupeira a pedra a pessoa ou o conjunto disto tudo. Sentimos que fazemos parte de um todo onde tudo flui e gera sinergias e transformação,  onde menos é muitas vezes mais e onde corpo, mente e coração estão em uníssono com o pulsar do que  é verdadeiramente essencial.

FORK TO FORK (e umas quantas reflexões)

migas2

Fork to Fork (qualquer coisa como da forquilha para o garfo)  é o título de uma série bbc da autoria de Monty Don, carismático escritor&apresentador/jardineiro&agricultor inglês.  A par de séries como The edible garden de Alys Fowler ou Grow your own veg de Carol Klein Fork to Fork advoga  uma prática agrícola assente sobre princípios sustentáveis aliada a uma prática alimentar que privilegia os produtos da época, biológicos e locais.

A par da água, a produção de alimentos será uma dos problemas centrais da humanidade (e não apenas dos países ditos do terceiro mundo)  num futuro a breve prazo.

A agricultura convencional continua a destruir todos os anos hectares e hectares de solo arável quer por perda real de solo quer pela sua sobre-exploração conduzindo à perda progressiva de fertilidade combatida à custa da injeção de fertilizantes inorgânicos que mascaram um solo moribundo e que será a breve prazo estéril. Acrescente-se o uso intensivo e abusivo de herbicidas e pesticidas que desregulam por completo os ecossistemas e se infiltram sub-repticiamente na água e na nossa comida e temos um panorama deveras assustador.

 

Continuar a ler

COISAS DA TERRA

batatas

As primeiras batatas emergem. Plantadas em dezembro/janeiro estava estupidamente à espera que dessem flor para as poder começar a colher. Coisas de novata. Valeram-me os meus “mestres” D. Delfina e Sr. António: as “batatas do seco” apanham-se a partir dos três meses. Feito.

A generosidade das pessoas da terra não cessa de me comover.